0
0 In Artigos

10 dicas de manejo e cuidado com ervas que toda Bruxa deve saber

Lidar com ervas parece algo muito simples e, de fato, é. Contudo, alguns errinhos básicos podem fazer o feiticeiro ter de jogar fora aquela erva preciosa que tanto lutou pra achar. Pra você não cair nesses erros, trouxe algumas dicas de manejo e cuidado com ervas. Aproveite 😉

 

Vai armazenar? Prefira recipientes de vidro!

Nada de guardar erva em saquinho de plástico ou caixinha de papelão. Ervas secas em sacos ou caixas são um convite suculento para traças, larvas e insetos adultos. Eles adoram raízes secas para cavar seus túneis e, mais ainda, são loucos por pimenta seca! Uma verdadeira iguaria e alimento rico em nutrientes para que eles se tornem insetos fortes e felizes.

Na minha família as pessoas acham que tenho obsessão por recipientes de vidro vazios. E eles não estão de todo errados! rs Estou sempre adquirindo ervas novas, logo, estou sempre pedindo que eles guardem frascos de palmito, grão de bico ou molho de tomate,  pra mim. Antes de utilizá-los, porém, lavo com esponja e detergente. Depois fervo para remover bactérias e, assim, aproveito para extrair também o rótulo original. Deixando o frasco livre e limpo para receber o meu rótulo. Pois, a menos que você tenha um conhecimento avançado de curios, você vai se confundir e pode até mesmo esquecer qual erva é qual.

 

Tem umidade no ambiente? Pacotinhos de Sílica neles!

Nada mais terrível que precisar de uma erva e ela ter dado mofo. Quando ela é uma erva mais rara de ser encontrada então, aí é que a dor é maior! Para você não ter essa decepção, mantenha ervas como alcaçuz, levístico, musgo espanhol, grãos miúdos como os de mostarda e toda forma de raiz com certo grau de maciez em recipientes com, pelo menos, um pacotinho de Sílica. Porque, depois que dá mofo na erva, meus caros, não tem conversa, não tem “desenrolo”. É lixo mesmo!

 

Calor, Sol e Luz? Nem pensar!

Todos querem uma parede de casa com aqueles inúmeros frascos de ervas em exposição. É lindo, eu sei! Mas, se você não quiser suas ervas desbotadas e feias e tendo perdido suas propriedades ativas, sugiro que prefira o armário fechado ou uma parede de um cômodo da casa em que a incidência de luz (solar e artificial) seja muito pouca ou nenhuma. Vale lembrar que o calor pode gerar umidade no interior dos frascos também… e você não vai querer voltar ao problema mencionado no item anterior, né?!

Como era meu cantinho de ervas. Hoje elas ficam em um armário próprio, fechado… até porque já não tinha mais prateleiras pra colocar rs

 

Precisa macerar a erva? Compre um gral com pistílio em porcelana, por favor!

Embora eu ame porcelana e tenha montado uma coleção gigantesca e belíssima de peças de jantar, sobremesa, café e chá, juro pra vocês que esse não é o motivo para que eu indique a compra de um gral (almofariz) de porcelana! Há gral de plástico, madeira, pedra e porcelana. Plástico é uma desgraça só, pega cheiro, não dá pra lavar direito, mancha e ainda não tem a dureza necessária para a maceração. Madeira compactua dos mesmos defeitos, acrescentando o fato de que há o risco de você lavar, guardar e dar mofo. Pedra é um material mais barato que porcelana. Contudo, alguns modelos vem com ranhuras que não facilitam em nada o processo de maceração. Vai de porcelana! É mais cara, mas tem a dureza necessária pra transformar até inox em pó. Fora o fato de que é mais fácil de lavar, não pega cheiro, não mancha e não dá mofo de jeito algum.

 

Vai preparar um banho de ervas? Macere os grãos e sementes!

Lembra do gral com pistílio (almofariz)? Ele se faz super necessário nesses casos. Quando quebramos os grãos e sementes, permitimos que o aroma deles sejam liberados com maior eficácia e melhor aproveitamento. Portanto, nada de preguiça!

 

Comprou a erva fresca e não vai usar tudo? Coloque-a logo pra secar!

A regra é básica: se tem água, vai apodrecer. E isso é um processo bem rápido! Isso serve para compostos de ervas em óleo ou ervas armazenadas sem a conclusão perfeita do processo de secagem. Portanto, para fazer o processo de desidratação corretamente, siga esses passos:

  • Amarre um arame fino nos caules.
  • Enrole (de forma a fazer um funil bem soltinho) papel manteiga ao redor do molho de ervas.
  • Faça furinhos no papel com uma caneta E
  • Pendure o molho de ervas de cabeça pra baixo, em local ventilado, por 30 dias, bem longe do Sol!

Ao final do processo sua erva estará pronta para ser desfolhada e armazenada em recipientes de vidro.

Repare que em menciono a questão do papel manteiga. Esse ponto é importantíssimo e não pode ser ignorado. Caso contrário, suas ervas correm o risco de se tornarem banheiro público para moscas e mosquitos. Sabe a imagem principal dessa postagem? É linda, né? As ervas estão penduradas corretamente, mas esqueceram da proteção. Quem trabalha com ervas sabe que as moscas e mosquitos fazem a festa. Então, enrole o molho de ervas em papel manteiga sempre!

Se forem somente folhas, você deve fazer um pacote fofo de papel manteiga, colocar as ervas, fazer os furinhos com uma caneta e dispor sobre uma mesa,  em local ventilado, por 30 dias, bem longe do Sol!

As raspas de casca de fruta, como laranja e limão, e as folhagens que possuem talos, como salsão, vão precisar – dependendo do clima onde você mora – de mais tempo para secar. Ervas como patchouli e alecrim secam num tempo inferior a 30 dias.

Anis após secagem perfeita, preservando aroma e propriedades ativas.

 

Vai coar ervas em tinturas e óleos? Use filtro de tecido sintético branco.

Filtro de papel suga todo o óleo e o desperdício é enorme! Fora que não podem ser reaproveitados. Filtros de tecido colorido podem, eventualmente, soltar tinta. Você não vai querer um óleo num tom inesperado. Vai? Por fim, filtros em fibras naturais, como algodão, tem máxima capacidade de absorção, porém, o que buscamos é o processo de coar, e não de simulação de uma esponja. Sabendo disso, invista em filtros de tecido sintético. São reaproveitáveis, laváveis e coam que é uma maravilha!

 

Vai trabalhar com rosas para algo relacionado ao amor? Tire os espinhos!

Em um trabalho de amor, e, principalmente, em trabalhos de reconciliação, retire os espinhos como um ato-ritual. Ou seja, remova os espinhos com a intenção de remoção de obstáculos, conflitos ou mágoas passadas que afastam os envolvidos no processo. E, ainda que você venha a remover o caule depois, o esforço vale o ato simbólico. Lembre-se “todo ato intencional é um ato mágico”. Vale mencionar também que os espinhos devem ser removidos manualmente, com as unhas, e nunca com faca. O reino vegetal costuma mudar a vibração energética em contato com metal, é o que dizem.

 

Quer montar seu herbário e não sabe por onde começar? Vem que eu te conto!

Dificilmente você vai achar algo interessante na seção de temperos do mercadinho próximo da sua casa. O melhor lugar para procurar ervas secas são lojas especializadas no ramo. Afinal, já dizia o versículo… “nem só de ervas para feitiço viverá o homem, mas de todo chá para curar doenças e perder peso”. Pense nisso na hora de ir às compras.

E, se você busca algumas ervas mais difíceis de serem encontradas, sugiro que conheça a seção só de ervas para feitiço da minha loja. São mais de 30 cúrios especialmente selecionados e que acompanham a descrição da propriedade oculta e uso na Magia. Clique aqui.

Da esquerda pra direita, folha de Bétula e de Carvalho secas. A Bétula comprada já seca em fornecedor especializado e o Carvalho desidratado perfeitamente em casa. Como podem ver, não há distinção entre o resultado final dos trabalhos. Coisa de Bruxa esperta 😉

Vai fazer seus próprios óleos, banhos e chás? Olho atento na temperatura!

Ervas são sensíveis e possuem muitas substâncias voláteis. O processo de evaporação gerado pelo calor excessivo pode anular as propriedades ativas delas, gerando chá inócuos e/ou fazer com que percam sua fragrância. Por isso, sempre que for trabalhar com ervas e necessitar de calor, cumpra os seguintes critérios:

  • Na feitura de óleos sobre calor, faça tudo em fogo baixo e banho-maria
  • No preparo de chás e banhos com folhas e flores utilize a infusão, e nunca a decocção
  • No preparo de chás e banhos com cascas e raízes duras utilize a decocção, e não a infusão

Decocção é o processo de fervura. Caso você não saiba como é o processo de infusão, veja esse link onde eu explico o passo a passo completo. Clique aqui. A diferença entre a escolha de cada processo é o fato de que cascas e raízes precisarem de uma temperatura mais elevada para liberarem suas propriedades. Processo esse que seria catastrófico se utilizado com partes da planta que são mais sensíveis, como folhas e flores.

 

Gostou das dicas de manejo e cuidado com ervas e gostaria de aprender mais esse assunto, além de conhecer as propriedades ocultas das ervas? Então deixo aqui meu convite para pré-inscrição para próxima turma do CURSO DE HOODOO a distância. Basta mandar um email informando seu interesse para: contato@osortilegio.com

 

Grande abraço!

 

 

 

 

 

 

You Might Also Like

Sem comentários

Dê sua opinião!