0
4 In Artigos

Ossos, Conhas e outros itens: A simbologia de alguns Cúrios usados no Hoodoo

Ossos Conhas e outros itens A simbologia de alguns Cúrios usados no Hoodoo

O Hoodoo – como sistema de prática de Magia que é – faz uso de inúmeros elementos para agregar poder a um trabalho. Nessa postagem, você verá que alguns Cúrios usados no Hoodoo vão além do simples uso de ervas, links pessoais e pós. Sem dúvidas os cúrios vegetais (ervas) e os locais (poeira local) são os mais utilizados. Mas, além da vasta lista dentre esses itens, você encontra objetos simbólicos, ossos humanos, cúrios animais e muitos outros itens poderosos.

Porém, antes de falarmos sobre esses cúrios usados no Hoodoo, vou dar um rápido foco a questão do Cúrio animal. Já “de cara” vou deixando claro que não estou fazendo apologia ao sacrifício animal. Muito pelo contrário! Quem acompanha meu trabalho com certeza já me ouviu dizer que acredito na “coleta” de restos animais como a prática a que mais me afeiçoo. E, para fazê-la, basta um olhar atento para as oportunidades que surgem, literalmente, no nosso caminho.

Já o sacrifício, a meu ver, se tem de ser feito, que seja por gente treinada. E, quando eu falo de “gente treinada”, me refiro a gente treinada por gente, e não por livro! Gente que tenha nascido com “mão pra corte”. Afinal, o fato de uma pessoa achar que pode tirar a vida de um animal ritualisticamente não a torna apta pra isso. Algumas religiões mantiveram a sabedoria relacionada ao sacrifício ritual e a passam somente àqueles que foram escolhidos. Infelizmente, o que mais tem por aí são curiosos que, por saberem usar uma faca de cozinha, já saem por aí se auto denominando sacerdotes disso e daquilo.

A esses eu só digo: poupe-nos! Aliás, poupem da vergonha alheia, inclusive, os Deuses e entidades para quais prestam culto. ^^

Voltando ao assunto…

A simbologia por trás de muitos cúrios está relacionada não só ao uso como amuleto, no bolso, no carro, pendurado na parte de trás da porta de casa ou da cama de uma pessoa convalescente (dependendo do caso). Mas, também, ao fato de que alguns itens podem ser usados dentro de Sacos Mojo, ou fora dele, para aumentar seu poder. Desde que devidamente relacionados à intenção com que o Mojo foi criado. Uma outra forma de uso é se aplicado ao trabalho com velas, como elemento simbólico ou parte integrante deste.

Uma outra maneira de uso de alguns desses itens está relacionada a formas de divinação. Nessas práticas ligadas, em certa parte, ao Hoodoo a divinação tanto podem ser feitas utilizando somente ossos, como mesclando o uso de ossos com outros itens. Mas a leitura de ossos terá espaço em uma postagem futura! Por hora, vamos abrir um pouco seu leque de opções para agregar força ao seu trabalho de Magia. E que fique claro que a lista abaixo representa alguns dos muitos tipos de ossos e outros itens que possuem uma simbologia especial dentro do Hoodoo.

Aproveite!

 

Alguns Cúrios usados no Hoodoo

 

Uso de Conchas no Hoodoo:

  • Concha Abalone = A semelhança dessa concha com uma orelha humana é incrível! Não é a toa que em francês ela é conhecida como “orelha do mar”. Nos métodos de divinação aos quais ela está associada, representa a beleza feminina, o mar em si e a riqueza.

 

  • Concha Olho de Gato = O formato inusitado dessa concha já nos remete aos olhos. Tal semelhança faz desse Cúrio um poderoso amuleto contra o “olhar da maldade”, “olho gordo”, inveja e falsos amigos. Outra aplicação bem útil é para acabar com difamações e fofocas. Está relacionado, ainda, à remoção de Jinx (maldições).

 

  • Concha Shell = Eternizada na pintura de Botticelli, O Nascimento de Vênus, a conha Shell é o clássico símbolo da feminilidade e do amor. No Hoodoo, ela simboliza também os mistérios do sagrado feminino.

 

  • Búzio = É sabido o tradicional uso do Búzio como instrumento oracular. Mas não é só isso. O búzio possui uma cadeira especial dentre os tipos de concha usadas no Hoodoo. Devido ao seu formato – que pode ser relacionado tanto a uma vagina como a uma boca – ele é usado como símbolo representante dessas partes do corpo. Tal simbolismo é aplicado quando na confecção de bonecas Hoodoo ou como ícone externo a um Mojo. Deve ser vestido com sangue menstrual ou fluido vaginal para potencializar sua ligação com o portador. Como a sexualidade, a fertilidade e o poder feminino estão intimamente ligadas a esse cúrio, ele pode ser usado tanto para os trabalhos relacionados à paixão, como a malefícios. Nesse último, o foco está em causar doenças no órgão genital da vítima ou problemas relacionados à sexualidade.

 

 

 

Uso de algumas partes animais no Hoodoo:

  • Casca de caranguejo = Em outras práticas religiosas a casca de caranguejo é usada para causar um “enguiço” na vida da pessoa. Essa relação se deve ao fato de o caranguejo ser um animal que não consegue “andar pra frente”. Assim, espera-se que a vida da vítima-alvo também “não ande”. No Hoodoo, no entanto, esse cúrio animal é usado – também na forma de pó – para os feitiços de reverso. Ou seja, mandar de volta um malefício que tenha sido enviado a você.

 

  • Pé de Coelho = Esse tradicional item que se popularizou também aqui no Brasil é usado no Hoodoo. O significado é o mesmo que conhecemos, trazer sorte ao portador. Porém, saiba que há conjures que utilizam ossos de outras partes do corpo de coelhos para trabalhos Hoodoo. A exemplo, o uso para aumentar a fertilidade.

 

  • Pé de galinha = Um prato muito saboroso, mas pouco preparado nos dias de hoje é a galinha ao molho pardo. Mas, pra tal prato, se faz necessário comprar uma ave fresca no aviário. Sabe o que você pode fazer com os pés frescos que não serão utilizados como alimento? Um Juju (ou amuleto) para proteção ou cura! O simbolismo acerca do Pé da galinha é repelir maldições e descruzar a vida da pessoa que tenha sido vítima de algum malefício. E isso principalmente se este pé for de uma galinha preta! A questão da cura se dá por associação, tendo em vista que algumas maldições tem por objetivo causar doenças.

 

E tudo bem se você não tem aviários próximos de sua casa.
Ou, também, se saborear uma galinha ao molho pardo não está no seu gosto.
Em breve você poderá encontrar um Juju prontinho pra você aqui na loja!

 

  • Pelo de cachorro preto = O pelo de cachorro preto entrou no Hoodoo mediante a crença no fato de que um cachorro preto é a representação do próprio Diabo. Isto é, o Diabo metamorfoseado na figura canina. O uso desse cúrio está relacionado à evocação de demônios e espíritos maléficos para auxílio em trabalhos e para afastar pessoas. Ver seu uso, também, associado ao pelo de gato preto.

 

  • Pelo de gato preto = Em geral o pelo de gato preto é usado para sorte nos “jogos de azar”. Porém, alguns de meus clientes já puderam experimentar uma outra forma de aplicação desse Cúrio. A combinação do pelo de gato preto com pelo de cachorro preto serve como auxiliar nas separações de casais. Tal combinação também está presente como Cúrio dentro de cada frasco do Óleo Separação. A crença envolvendo essa dupla de Cúrios parte da conhecida repulsa que muitos cães sentem por gatos, e vice-versa. O objetivo nesse tipo de trabalho é espelhar essa relação de discórdia violenta na vida de casais.

 

 

Uso de alguns ossos no Hoodoo:

  • Osso Fúrcula = Quem nunca brincou da brincadeira de quebrar o ossinho que sobra do peito da galinha para realizar um pedido? Essa brincadeira brasileira cheia de superstição também tem seu poder no Hoodoo! A fúrcula – como esse osso é denominado – é utilizada para realização de desejos e obtenção de sonhos proféticos.

 

  • Ossos dos Dedos das mãos = Por uma relação de associação lógica, este Cúrio está associado à destreza, prestidigitação e quaisquer outras habilidades que envolvam habilidades manuais. Isso também se aplica aos jogos de azar. Como a nossa mão é o que usamos para receber pagamentos, este Cúrio é usado dentro de Sacos Mojo para atrair ganhos de dinheiro e controlar finanças.

 

  • Osso da Clavícula = Todo mundo sabe da ligação do Hoodoo com os ensinamentos de As Clavículas de Salomão. Muitas pessoas sabem também que a palavra “clavícula” quer dizer “chavinha”, ou “pequena chave”, em Latim.  Mas, o que poucas pessoas sabem é que a palavra “Clave” (chave) – do Latim – veio parar na língua portuguesa na forma de “CHave” – com “ch” – graças ao processo evolutivo do Latim vulgar. Sob influência do substrato pagão Celta na região do norte de Portugal, o Latim falado teria sofrido uma alteração na pronúncia.

Explicando vulgarmente… É como se o chiado maroto dos Celtas que viviam naquela região tivesse influenciado a língua falada naquela época. Dessa forma, tal influência se estendeu até que o “Cl” virasse “Ch”. Bacana, né? Mais bacana ainda é saber que não só o objeto chave, como o osso conhecido como clavícula, estão associados ao simbolismo da abertura e fechamento de caminhos e conectividade com os mundos superiores.

No Hoodoo, as chaves cruzadas estão associadas, ainda, a mais dois significados: às encruzilhadas e, também, às Chaves de Pedro. Ou, mais especificamente, esse último está associado às Chaves que abrem o reino dos Céus, segundo a mitologia cristã.

 

 

Uso de outros símbolos:

  • Chave = ver item “Osso da Clavícula”.

 

  • Dados = O dado é usado tanto em processo de divinação, quanto como elemento para atrair sorte nos jogos. A exemplo, o uso de dados dentro de um Saco Mojo verde. Acrescenta-se aí alguns cúrios usados no Hoodoo para atrair a sorte nas jogatinas. No processo de divinação, o dado vai indicar também a numeração relacionada à situação.

 

  • Moeda de prata ou Moeda antiga de cunhagem específica = A simbologia por trás do uso de moedas no Hoodoo gira em torno de alguns conceitos. O primeiro se refere a uma associação interpretativa da imagem cunhada na moeda à figura do Deus Mercúrio. Na crença, a semelhança da imagem com o Deus tradicionalmente associado ao comércio é capaz de trazer ao portador proteção e sorte nos jogos. O segundo conceito relacionado à simbologia se refere ao ano de cunhagem da moeda. Nesse caso, a preferência se dá às moedas cunhadas em anos bissextos ou, nos casos dos feitiços de amor, de moedas cunhadas no ano de nascimento do casal. A junção da figura que remete ao Deus romano e o ano de moedagem são os fatores que tornam a moeda especial, magicamente falando.

 

Simbologia aplicável ao dinheiro nacional:

Excetuando a questão das moedas produzidas no ano de nascimento do casal, essa simbologia relacionada à moeda tem pouco utilidade aqui no Brasil. Ela é interessante do ponto de vista informativo-cultural. Mas não é “aplicável”, já que nossas moedas são cunhadas com a personificação da República brasileira, e não com uma imagem que remeta a um “patrono do comércio”.

Contudo, ali entre 1927 e 1929, moedas brasileiras de 1000 réis foram cunhadas com o símbolo da personificação da Abundância. Essas moedas foram inspiradas na obra La Semeuse (“a semeadora” ou “aquela que semeia”), de Oscar Roty. Trata-se da figura de uma mulher semi ajoelhada sobre a terra, segurando uma cornucópia – que por si só já é um símbolo ligado à agricultura, prosperidade e ao comércio – de onde se derramam alimentos.

 

 

 

 

 

Porém, devido ao fato de esse ser um item difícil de achar, outras associações podem ser feitas com o dinheiro nacional. A saber:

Nos trabalhos cujo objetivo é tornar uma pessoa mais generosa com dinheiro. > Usar moedas que lhe foram dadas pela vítima-alvo.

Nos trabalhos para prosperidade. > Usar notas de dinheiro de valor alto, como representação do dinheiro materializado. Ou, moedas douradas, pois remetem à riqueza e ao ouro.

Nos trabalhos que envolvem ganhos de dinheiro e sorte. > Usar 7 moedas de 1 real. Essa correlação remete ao valor do número 7 na numerologia. Bem como, remete a sua associação com a ideia de movimento, mudança e energia sendo renovada… Além de comunicação divina com o mundo dos homens, etc.

 

 

E, por fim, vai uma última observação. Comprar ou “coletar” um Cúrio se faz necessário. Mas encontrá-lo é ter a sensação de achar um tesouro perdido.

Quantas moedas antigas, chaves, alianças e dados nos esperam por aí?

Então, desejo a você uma semana de grandes “achados”!

You Might Also Like

4 Comentários

  • Reply
    Flor de Lis
    20 de março de 2018 at 20:16

    Oi, Jess. Tenho uma mini coleção de borboletas mortas, todas encontradas por aí. Sempre me considerei sortuda com borboletas, ver uma se aproximando, vindo até mim, aparecendo em uma data importante, sempre foi sinal de boa sorte. Percebi há algum tempo que volta e meia passo por alguma borboletinha que já cumpriu o seu ciclo da vida, resolvi recolher e guardar, guardo como um tesouro <3 . Ainda não descobri como usar na bruxaria, mas uma hr dessas eu descubro, Muito obrigada pelo texto, foi o único que encontrei falando disso :*

    • Reply
      Jess
      31 de março de 2018 at 13:56

      Que bacana esse contato, hein?! Eu tenho isso, desde a infância, com borboletas negras, as chamadas “bruxinhas”. Vou te falar por experiência pessoal: considere a possibilidade de isso ser uma mensagem divina pra você! Ou, ainda, a mensagem de de animal aliado espiritual, aqueles que nos acompanham em nossa jornada espiritual.
      Obrigada por compartilhar com a gente essa experiência linda e um grande abraço, minha querida!

  • Reply
    Dani
    18 de junho de 2018 at 18:17

    Boa noite, acabei de descobrir o site. EU queria saber se quando nós comemos um animal, cuja carne foi comprar no mercado, e os ossos sobram se posso usar como amuleto tb. Eu tenho aqui ossos de porco, não joguei fora, e estou pesquisando sobre uso de ossos na magia. Além disso, volta e meia eu acho algo em parques naaturais. Só quero usar com consciencia limpa ne? Eu não curto jogar tudo no lixo pq acumula e tb polui a natureza. Tem muita coisa que uso como sementes de frutas que comi. Será que tem problema usar os ossos de animais que foram comidos ( mas a carne foi comprada no açougue).
    Pretendo usar os restos de animais já encontrados mortos ou este caso especificado.
    Caso não, eu vou enterrar…
    Obrigada

    • Reply
      Jess
      20 de junho de 2018 at 12:30

      Oi, Dani! Seja bem vinda! Então, o Hoodoo é um tipo de prática de magia muito improvisatória, que se originou de um momento em que seus praticantes não tinham todos os recursos do mundo disponíveis para uso. Não consigo imaginar pessoas desperdiçando alimento para ficar somente com os ossos para confecção de amuletos. Achei muito digna sua preocupação. Vai fundo, pois – no meu entendimento – você está no caminho certo. E isso também inclui o uso de restos de animais encontrados mortos. Faça sua conexão com eles. Eu já enterrei muitos animais onde depois vim a precisar de partes dos mesmos para trabalhos. Isso cria um laço de comunicação, sabe?! Meio que uma “boa vontade” deles em te ajudar num momento em que você também precise. Diferentemente de outras práticas de feitiçaria que se popularizaram aqui no Brasil, no Hoodoo, os mortos podem ser nossos aliados, e não necessariamente inimigos.
      Grande abraço!

    Deixe uma resposta para Jess Cancel Reply